segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Do Natal, do sagrado e do profano

Em plena época natalícia e pausa de atividades letivas, o que não faltou pelas escolas portuguesas foram presépios, anjos e estrelas misturados com flocos de neve, árvores e Pais Natal... Decorações a condizer com a quadra seja na perspetiva do sagrado seja na perspetiva do profano.
Estas decorações que todos ou quase todos nós tivemos oportunidade de contemplar, quer porque tenhamos filhos na escola, quer porque tenhamos ido às festas de Natal da criançada quer por outros motivos, causa-me alguma perplexidade pelo facto de ser paradoxal. 
Ora, sendo o Estado português, um Estado laico e essa laicidade foi claramente manifesta aquando da retirada dos crucifixos nas escolas públicas, como se justifica que se continue a celebrar o Natal católico nas escolas públicas? Sabendo nós que cada vez mais se tem alunos com outras confissões religiosas...
Quero salientar que não estou a fazer aqui qualquer tipo de ataque à religião católica ou qualquer outra, apenas penso que deve haver coerência, pois já assisti a situações em que alunos com educação religiosa diferente da católica, fossem obrigados pelos pais a não participar em atividades dessa natureza o que de certa forma preconiza formas de exclusão em escolas públicas. 
Como não gosto de criticar por criticar, penso que seria muito menos "perigoso" festejar o Natal, no contexto das escolas públicas, com a figura do Pai Natal que, na minha opinião simboliza normas morais ou até mesmo éticas... e ainda que possa haver uma relação entre Etica e religião, elas não são uma e a mesma coisa.

10 comentários:

  1. Permitir-me-á que fale do facto de até à relativamente pouco tempo, todos os estúdios da Rádio Renascença terem uma imagem de Jesus Cristo. Estúdios e todas as salas implantadas naquela estação radiofónico.
    Acontece que depois da retirada das imagens, continuou-se a fazer rádio, a mesma rádio, não se notando por isso, qualquer modificação no estilo e na forma.
    Quero eu dizer com isto que com imagens ou sem, as pessoas cohabitam tranquilamente.

    Pode parecer uma comparação tola mas não é. Respondo, assim, a esta passagem do seu escrito: "(...)retirada dos crucifixos nas escolas públicas, como se justifica que se continue a celebrar o Natal católico nas escolas públicas? "
    Na minha perspectiva, não tem nada a ver uma coisa com a outra.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é quando essa "cohabitacao" não é assim tão tranquila e não afirmo isto sem que tenha conhecimento de causa no contexto ao qual me refiro no post.
      Boa semana.

      Eliminar
  2. Percebo o seu ponto de vista. São singularidades deste país à beira-mar plantado!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. A questão que coloca é muito pertinente. A verdade, porém, é que a sociedade portuguesa apenas é multicultural e respeitadora das minorias e da diferença no papel. Em plena era global, há comemorações que não fazem qualquer sentido, quando promovidas por entidade públicas.
    Aproveito para lhe desejar Festas Felizes e um excelente ano de 2015.

    ResponderEliminar
  4. É um tema um pouco complicado e que pode ter várias interpretações.
    O Mundo mudou a Sociedade mudou e as próprias crianças vão-se habituando às diferenças religiosas.
    Desejo-lhe um Bom Natal.

    ResponderEliminar
  5. Hoje venho desejar um Natal brilhante de alegria, iluminado de amor, cheio de harmonia e completo de Paz
    Beijinhos

    ೋღღೋ FELIZ NATAL ೋღღೋ

    ResponderEliminar
  6. É um assunto muito delicado q dava pano pra mangas... Infelizmente, ou não, uma vez q vivemos numa democracia em q a vontade da maioria é a respeitada, faz sentido q tb nas questões religiosas seja respeitada a vontade da maioria católica. É tão simples(not) como isso...

    ResponderEliminar
  7. Um santo e feliz Natal, beijinhos no coração!!!

    ResponderEliminar
  8. Espero que tenhas tido um óptimo Natal!!
    Bj S

    ResponderEliminar