quinta-feira, 6 de junho de 2013

Crianças ou monstros em potência?

As crianças são o melhor do mundo e tenho que concordar que sem elas isto não tinha graça nenhuma. Mas não posso deixar de me horrorizar com aquilo que também são capazes de fazer, não querendo com isto generalizar comportamentos. Refiro-me concretamente ao crime de violação cometido por três crianças (11, 12 anos), sobre uma menina de 12 anos, ontem noticiado.
 
Não sou pedopsicóloga nem tenho qualquer pretensão em encontrar argumentos sejam eles científicos, falaciosos ou de senso comum, que possam suportar estes comportamentos. Também não sou advogada para perceber todos os contornos legais que um crime desta natureza possa conter, nem tão pouco juíza para julgar os autores do crime. Mas sou uma cidadã que, profissionalmente, lida diariamente com jovens adolescentes e pré adolescentes e por isso, apercebo-me que a agressividade, a delinquência e a violência são a sua "bandeira" quando querem afirmar a sua posição e a sua pequenez de espírito.
 
É certo que sempre se viu os miúdos andarem à porrada, sempre fez parte dos seu desenvolvimento o problema é que a violência que se presencia hoje, assume contornos graves e com muitos requintes de crueldade que ainda assim, se reveste de impunidade, e os miúdos sabem disso...muito bem!
Para uma grande parte destes adolescentes, facilmente, os problemas se resolvem com um murro, um pontapé e três ofensas pessoais diretas ou indiretas e quando se lhes pergunta se valeu a pena agredir o colega partindo-lhe o nariz, respondem com o ego a transbordar de gáudio e sem ponta de arrependimento, que tem de ser e que quem não dá, leva dos outros.
 
Definitivamente,  parece que chegámos à selva, impera a lei do mais forte e atacamos para não sermos atacados. Mas o que me parece, muitas vezes é que nem selva podemos chamar a estes contextos, porque no mundo destes adolescentes a violência gratuita ganha diariamente terreno e na selva, ao que sei, os animais reagem em função do seu instinto de sobrevivência, quando esta está em causa. Não quero apontar o dedo a ninguém, mas de uma coisa estou certa, a genética não explica nem justifica tudo, para mim, a genética dá as cartas, o meio joga-as!

6 comentários:

  1. Gostei dessa expressão. De facto a educação que lhes é dada e o meio onde crescem influencia muito. Infelizmente estes episódios têm até tendência para aumentar. Gostaria muito de estar enganada, mas é o que me parece.
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Tens um desafio no meu blog. Passa por lá. :)

    ResponderEliminar
  3. Eu não consigo entender esta sociedade nem os ideais desses jovens...é muito triste!

    ResponderEliminar
  4. Ainda me custa acreditar que crianças tão novas fizeram isso! Infelizmente a violência nos jovens tem vindo a aumentar mas acho que com 11 ou 12 anos ainda são crianças, não bem adolescentes... :\

    ResponderEliminar