sexta-feira, 14 de março de 2014

Curiosidade mórbida


Esta manhã, por razões pessoais, estive cerca de quinze minutos dentro do carro, que por sinal estava estacionado, paredes meias, com o adro de uma igreja. Enquanto aí estive, apercebi-me que estava a decorrer um funeral...nada de mais,as pessoas morrem! Apercebi-me também que, dada a distração que os condutores nos seus automóveis evidenciavam, quem se arriscava a morrer era também eu... O que já não me parecia assim tão normal, não é que aspire à eternidade, mas isto quando é connosco não é assim tão rotineiro! 
Pois bem, porque é que as pessoas conduziam os seus automóveis distraídamente e com a cabeça virada para a esquerda, em vez de olharem para a frente? Porque o adro da igreja ficava à sua esquerda e aí decorria o acontecimento mórbido daquela manhã-o funeral de alguém. Convém recordar que à esquerda desses condutores e antes do adro da igreja, estava eu, mais ou menos inquietada já que repetidamente, interrompia tais olhares com rápidos sinais de luzes... Sim, porque não estava nem estou, pra já, disposta a ver a luz no fundo do túnel! 
Esta situação suscitou-me alguma curiosidade, cheguei a pensar que o funeral poderia ser de alguém importante da região, ou tratar-se de uma morte inesperada, ou  ainda ser de alguém muito jovem. Na verdade, nenhuma destas situações se verificava... era um funeral perfeitamente "banal" como me foi dito e perante os comportamentos que observei, só pude concluir que a curiosidade pela morte é algo inexplicável.
Não gostamos de falar nisso, não gostamos dela, mas "gostamos" de a ver materializada nos outros. Será que é este o nosso conforto por a saber longe de nós e ocupada com outros?

Desculpem lá a morbidez da "conversa" na "vida" deste modesto blogue!

11 comentários:

  1. e quando há acidentes? o automobilista português é naturalmente curioso, digamos coscuvilheiro, um mirone de altíssima marca. tudo lhe suscita curiosidade. é só mais uma das muitas idiossincrasias...

    ResponderEliminar
  2. Uma “conversa” muito mórbida para uma sexta-feira de manhã (ainda não é meio-dia por aqui) mas quando “as coisas” acontecem, não escolhem um dia especial na semana.

    Este é o segundo blogue que leio que se refere a funeral! : )

    A curiosidade é geral em qualquer lugar que nos encontremos. Quer seja aí quer seja aqui.

    Bom fim de semana, mmm’s, e que não encontre nenhum condutor distraído... : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada condizente com a Primavera, é verdade!
      Seria de prever muito blogue a falar de dietas, de flores e de exercício... não de funerais! Mas como já alguém bem disse, para morrer qualquer altura serve. Eu cá até simpatizo com a Primavera para morrer... (lol, gag privada)

      Eliminar
  3. Conheço pessoas que quando ouvem a ambulância vão logo ver o que aconteceu. Um comportamento que não me entra, mas o portuga é mesmo muito curioso!

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente é verdade, a morbidez atrai-nos.

    ResponderEliminar
  5. As morbidez atrai. Arrisco-me a dizer que é inerente ao ser humano.

    ResponderEliminar
  6. As pessoas são mesmo assim. Quando há um acidente na estrada, pára logo toda a gente. A maioria não é para ajudar, é mesmo só para ver se morreu alguém!
    Bom FDS

    ResponderEliminar
  7. Por acaso não sou assim, algo cusca de morbidez! Isso é o mesmo que as pessoas que vão de carro e desaceleram e andam de vagar para ver acidentes de trânsito. As pessoas querem sempre ver. Se calhar pensavam que se tratava do funeral do policarpo

    ResponderEliminar
  8. Há pessoas que não têm mesmo mais nada com que se entreter!
    Enfim...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Os portugueses têm curiosidade em ver tudo e saber tudo. Quando há uma acidente, tudo vai ver e abranda os seus carrinhos para ver se capta alguma coisa.

    ResponderEliminar